Em tom de despedida, Marcele fala sobre ações contra o crime em Madre de Deus: ‘Sensação de dever cumprido’

"Eu fiz o meu melhor, e deixo a cidade com a certeza de que fiz tudo que eu poderia ter feito", disse a delegada após apontar as operações realizadas na cidade.

Delegada Marcele Guerra e Policiais militares durante operação -Foto: Reprodução.

A delegada Marcele Guerra que deixou o comando da 17 ª DT/ Delegacia Territorial de Madre de Deus afirmou nesta sexta-feira (26) que tem a “sensação de dever cumprido” ao reforçar as ações que foram realizadas no combate ao crime em quase 4 anos de atuação como titular da delegacia da cidade.

“Eu fiz o meu melhor, e deixo a cidade com a certeza de que fiz tudo que eu poderia ter feito”, disse a delegada após apontar as operações contra práticas criminosas no município.

Ela relata que a delegacia de Madre de Deus foi o seu primeiro trabalho como titular  e descreve o período como “bastante proveitoso”. Discorrendo em seguida sobre as diversas prisões e operações deflagradas que reduziram o percentual de crimes contra a vida e ampliaram a segurança na região.

“A gente fez uma parceria brilhante com a Polícia Militar e sempre com a gestão da prefeitura, com a qual a gente tem hoje o termo de convênio”, disse a delegada.

Para ela, o importante é que as ações contra o crime continuem sendo realizadas na cidade com a mesma intensidade que ocorreram em quase 4 anos, período que passou à frente da delegacia.

Marcele explica que a “sensação de dever cumprido”  é sobre a redução da violência e operações de combate ao crime na cidade.

A delegada destaca os trabalhos realizados pelo Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco),  pela Coordenação de Operações Especiais (COE) e o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) que atuou na última operação.

Ela acrescenta a importância das denúncias anônimas realizadas por moradores ao que chamou de “participação brilhante da população” e pede que continuem sendo feitas.

“Porque sem a população, a gente não consegue muita coisa, os nossos olhos é quem está na rua”, diz e completa que a participação da população é mais importante do que atuação dela ou de qualquer delegado. “Quem brilhou foi a população que está de parabéns”, diz Marcele.

Ela agradeceu ainda por ter conseguido deflagrar a “Operação Tupinambá” antes de deixar a delegacia da cidade. Logo depois, Marcele informa que se não tivesse a ajuda do Draco e Dhpp  não seria possível obter o sucesso alcançado na ação.

“Porque a gente sabe que a demanda de uma delegacia territorial é muito grande, a gente não consegue focar só no tráfico, só no homicídio”, afirma.

Para Marcele, a “Operação Tupinambá”  começou assim que ela assumiu o cargo de delegada da cidade. Ela explica que foi dedicado muito tempo no recolhimento de provas e depoimentos.

“Talvez, aqui em Madre de Deus, essa foi a maior operação que a gente teve. As lideranças que a gente não tinha ainda alcançado, a gente conseguiu alcançar com essa operação”, frisa.

“A cidade Madre de Deus não tem a noção de quem se conseguiu alcançar com essa operação, porque a população da cidade sabe muito das lideranças de gente que é da cidade. Mas não consegue alcançar a dimensão de quem está por trás de todo esse financiamento de tráfico de drogas, de homicídios e tudo mais. Então a gente hoje conseguiu chegar em nomes, que em Madre de Deus, a população de bem não sebe nem dizer quem é. Então eu acredito que a operação foi super exitosa”, relata Marcele.

Por fim, a delegada agradece o carinho da população e afirma que torce para que os moradores tenham paz e tranquilidade no município.

Mudança de comando 

A Delegada Marcele Guerra foi exonerada do cargo de titular da 17ª DT/Delegacia Territorial de Madre de Deus, a informação foi publicada no decreto do Diário Oficial do Estado (DOE), na manhã de quinta-feira (25) e assinada pelo governador Rui Costa (PT). Até a noite desta sexta-feira (26), não havia sido divulgado em qual delegacia Marcela deverá atuar. O delegado Geovani Paranhos dos Santos, assume o cargo de titular da 17ª Delegacia Territorial de Madre de Deus.

Marcele Guerra estava como titular da delegacia da cidade há quase 4 anos. Oito meses depois de assumir o cargo, no dia 25 de julho de 2017, circulou uma informação entre agentes de segurança publica do município que Marcele seria substituída.

Três dias depois da informação ser veiculada, o ex-prefeito Jeferson Andrade pediu ao governador Rui Costa para delegada continuar na cidade. A solicitação foi feita durante uma visita de Rui ao município para assinar  a ordem de serviços nas áreas da saúde e esporte.

Na época, o governador garantiu que ela  não seria substituída e apontou que sempre que os delegados se destacam acabam sendo levados para outras delegacias com maiores demandas.

Veja o vídeo abaixo: 

À frente da delegacia de Madre de Deus, Marcele conseguiu um intervalo de um ano sem nenhum registro de homicídio no município. Após diversas investidas das polícias contra o crime na região, o índice de violência caiu drasticamente. Em 2017, só nos seis primeiros meses, foram registrados 6 assassinatos na cidade, antes da delegada Marcele assumir a delegacia .

Depois disso, foram registrados apenas dois homicídios, e os autores foram identificados. Assim que assumiu o cargo, a delegada garantiu ao Bahia Manchetes que seria acessível para comunidade e implacável com a criminalidade.

Na semana passada, a delegada falou sobre a megaoperação de combate ao tráfico de drogas que em Madre de Deus, e que, se estendeu pela Bahia e Rio de Janeiro. 

Com o apoio da Coordenadoria de Operações Especiais (COE) da Polícia Civil, ela desenvolveu várias ações de combate ao crime na região.