Com aceno positivo da oposição, Paulinho poderá consolidar disputa pela presidência

Na manhã desta quinta-feira (31) , os parlamentares do  PTB, PCdoB e PSD já haviam aderido ao bloco de Paulinho de Nalva.

Com aceno positivo da oposição, Paulinho poderá consolidar disputa pela presidência -Foto: Bahia Manchetes- vereador Paulinho de Nalva.

Logo após a eleição a base aliada do prefeito eleito Dailton Filho (PSB) tem o seu primeiro impasse na disputa pela presidência da Câmara de Madre de Deus.

O atrito no grupo político ganhou força na semana passada, depois que um dos candidatos recebeu o aceno positivo da oposição.

No páreo, estão Paulinho de Nalva (Republicanos ) e Marden Lessa (PSB). Uma das ações costuradas nos corredores do poder é a tentativa de que as legendas governistas definam um nome de consenso da base até o momento da votação.

Faltando menos de 24 horas para a eleição da mesa diretora da Câmara de Madre de Deus, o clima não é dos melhores. Aliados de Dailton tentaram ao longo da semana chegar a um consenso sobre a escolha do novo presidente.

Uma fonte ligada ao novo governo, informou que um interlocutor da base se reuniu com o presidente municipal do PSD e um vereador do partido para reverter a investida e convencer a legenda a apoiar outro nome.

Na manhã desta quinta-feira (31) , os parlamentares do  PTB, PCdoB e PSD já haviam aderido ao bloco de Paulinho de Nalva.

Na prática, com apoio de 5 vereadores de oposição, o atual presidente tem o número de votos  suficiente para carimbar a disputa.

A preocupação de aliados é que o embate entre governistas favoreça a oposição que entre as exigências do acordo, poderá indicar como novo chefe de gabinete da presidência, um vereador que perdeu a eleição em novembro.

A “queda de braço” entre aliados poderá provocar ranhuras e afetar o governo negativamente no Legislativo. Ao longo da disputa Dailton usou o discurso oficial de que “não iria interferir” na eleição interna para o comando da Câmara de Vereadores.

Um interlocutor apontou que a estratégia governista era que Dailton não precisava passar pela situação de apoiar publicamente um vereador e se desgastar com os demais.

Um edil da base afirmou em reserva que o “silêncio de Dailton” sobre a eleição pode ter favorecido os opositores. Por outro lado, ele não descarta a possibilidade de o governo reverter a votação e eleger um nome da base indicado pelo novo prefeito.

Por ora, Paulinho conta com o apoio de parlamentares de oposição, levando certa vantagem na disputa. Isso não agrada boa parte dos aliados.

O temor da base é que as costuras possam fragilizar o grupo situacionista . Nesta manhã, o vereador e partido Republicanos afirmaram que seguem na base de Dailton e descartaram a possibilidade de ruptura.