Marden, Melk e Lindivaldo rompem com o governo e reforçam oposição em Madre de Deus

Marden e Lindivaldo confirmaram ao Bahia Manchetes na manhã desta quarta-feira (1).

Marden, Melk e Lindivaldo rompem com o governo e reforçam oposição em Madre de Deus-Art Bahia Manchetes.

Os vereadores Marden Lessa, Pastor Melk e o primeiro suplente Lindivaldo Bonfim romperam com o governo liderado pelo prefeito Jeferson Andrade (PP). Marden e Lindivaldo confirmaram ao Bahia Manchetes na manhã desta quarta-feira (1º) a ruptura. As fissuras na relação entre os aliados, contribuíram para o racha no grupo que pode colocar em xeque a governabilidade do chefe do Executivo na Câmara Municipal.

Os três agentes políticos conquistaram juntos 1.459 votos na última eleição municipal e o desembarque da base governista amplia a crise política e reforça a oposição. Em contato com Lindivaldo por telefone, ele informou que o martelo foi batido na tarde de ontem (31) e que os três oficializaram que vão marchar ao lado do pré-candidato Dailton Filho (PSB).

Ele ainda não definiu o partido que vai se filiar, mas informou que um dos vereadores de oposição cogitados  pelo governo, garantiu  que não vai aceitar a proposta. Com isso, o número da bancada oposicionista na Câmara cresce para 6.

Marden disse ao Bahia Manchetes que está construindo um projeto com quem mais se identificou dentro dos planos apresentados por pré-candidatos. Para ele, Dailton  detém o melhor plano de governo no momento atual para cidade. O político ressalta que fez pesquisas e nelas, a população apontou que quer um prefeito com experiência e que seja novo.

“Dentre os pré candidato que existia Dailton é quem melhor representa esse quesito”. Marden também deu ênfase a rejeição da dupla Jeferson e Nita de Brito no cenário político.

‘Dailton aceitou nossas propostas ao plano de governo dele e iremos caminhar para fortalecer o povo de Madre de Deus’, asseverou.

Ele disse ainda que vai se filiar ao PSB, o mesmo partido de Dailton Filho. Apesar da ruptura ter sido oficializada nesta manhã, as três lideranças já demonstravam que o desembarque era inevitável.

O cenário de disputa e sob uma preferência velada do governo em favor de um nome para sucessão na prefeitura ampliou a crise entre aliados.

Depois disso, o Legislativo passou atuar de forma mais dura nas pautas do governo. Com o desgaste na Câmara, o gestor não definiu oficialmente o líder do governo na Casa. Vereadores que foram apontados nos bastidores para assumir a função de defensores e conciliadores, recuaram ao convite.

O governo segue sem líder no Legislativo, sofrendo duras críticas que costumam ser ponderadas por Anselmo Duarte (DEM). O clima de divergência será acentuado na Câmara com reforço de Marden e Melk na oposição.