Polícia prende três seguranças do Atakarejo após morte de homens que furtaram carne em Salvador

Quatro suspeitos de tráfico de drogas, que também são investigados por envolvimento no caso, foram presos na ação.

Polícia prende três seguranças do Atakarejo após morte de homens que furtaram carne em SalvadorFoto: Alberto Maraux/SSP-BA.

Três seguranças do supermercado Atakarejo foram presos na manhã desta segunda-feira (10), em Salvador, durante a operação que investiga as mortes de Bruno e Yan Barros da Silva. No fim de abril, os dois, que eram tio e sobrinho, foram mortos após serem flagrados quando tentavam furtar carne do estabelecimento.

Outras quatros pessoas também foram presas por suspeita de envolvimento no caso. Segundo a polícia, esse quarteto também é suspeito de traficar drogas. A polícia cumpriu mandados de busca e apreensão no supermercado e em casas no complexo de bairros que formam o Nordeste de Amaralina.

“No supermercado, estamos colhendo provas através de computadores, documentos, entre outros eletrônicos”, disse a delegada responsável pela investigação, Zaira Pimentel.

Em nota, nesta segunda-feira, o Atakarejo informou que não comenta decisões judiciais e que vai continuar colaborando com as autoridades para que o crime seja esclarecido o mais rapidamente. Disse ainda que reitera a solidariedade aos familiares das vítimas e afirmou que a empresa não tolera qualquer tipo de violência.

Além do Nordeste de Amaralina, os mandados foram cumpridos nos bairros da Mata Escura e Fazenda Coutos, na capital baiana, e no município de Conceição do Jacuípe, a cerca de 100 quilômetros de Salvador.

O crime aconteceu no dia 26 de abril, mas só na última quinta-feira (6), o supermercado Atacadão Atakarejo informou que os seguranças envolvidos no caso foram afastados. Segundo a família das vítimas, Bruno e Yan foram entregues por funcionários do estabelecimento a integrantes de uma facção criminosa do bairro do Nordeste de Amaralina.

Na última sexta-feira (7), o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) pediu a prisão preventiva das pessoas envolvidas nas mortes de Bruno Barros e Yan Barros.

O órgão, no entanto, não detalhou quantas pessoas podem estar envolvidas, nem as identidades delas. Além disso, o MP-BA também solicitou a prisão preventiva de funcionários da rede Atakarejo por terem contribuído com a morte do tio e sobrinho.

Participaram da Operação Retomada cerca de 50 equipes com 200 policiais civis, agentes da Polícia Militar, da Superintendência de Inteligência da SSP e do Departamento de Polícia Técnica (DPT). Com informações do G1.