Prefeito de Madre de Deus decreta lockdown: “É uma questão de vida”

Farmácias, mercados, padarias e posto de combustível poderão prestar atendimento presencial até às 16h30.

Prefeito de Madre de Deus decreta lockdown: "É uma questão de vida"- Imagem reprodução redes sociais.

A Prefeitura de Madre de Deus publicou nesta quinta-feira (25) um decreto que determina o lockdown na cidade e tem o objetivo de tentar conter o avanço da Covid-19. A medida entrará em vigor na sexta-feira (26) e segue até o dia 28 de fevereiro.

De acordo com o documento, fica proibido atividades comerciais na cidade, com exceção de farmácias, mercados, padarias e posto de combustível. Os estabelecimentos autorizados poderão prestar atendimento presencial até às 16h30.

O decreto aponta ainda que as praças, quadras, campos de futebol, equipamentos de ginástica, praias e outros espaços públicos serão interditados durante os dias de lockdown.

Com a medida, fica proibido a circulação de pessoas nas ruas da cidade das 17h às 5h. Em situações de saúde, compra de medicamentos, retorno de trabalho fora do município ou nos casos  de urgência comprovada os moradores poderão circular nas ruas.

Os serviços comerciais na modalidade delivery ficam autorizados até 23h e serão vedados qualquer tipo de atendimento presencial de atividades comerciais não essenciais.

Fica permitido o recebimento de mercadorias para reabastecimento de estoque comercial que estejam pendentes de entrega durante o período de restrições na cidade.

O texto determina ainda, que é obrigatório usar máscaras em locais públicos e estabelecimentos comerciais do município. O descumprimento do decreto poderá resultar em responsabilização criminal para cidadãos e penalidades e sanções para estabelecimentos.

O prefeito Dailton Filho (PSB), afirmou através de um vídeo compartilhado nas redes sociais que a decisão foi adotada após uma discussão com representantes do comercio da cidade.

O chefe do Executivo reforça que a unidade de saúde da cidade não atende quadros mais severos da doença.

Ele acrescenta que pacientes do município são regulados pelo estado e os hospitais de Salvador não estão recebendo pessoas de outros municípios.

“O povo perdeu o medo do Covid-19 e isso é perigoso, é preciso que as pessoas tomem consciência de que essa doença está matando”, disse.

Dailton completa ainda, afirmando que a medida de restrição ‘é uma questão de vida’ e de ‘sobrevivência’.

“A coisa tá séria, muito séria, porque a partir do momento que não existe espaço para que as pessoas possam se tratar, aí o perigo acontece .”

Veja o vídeo abaixo: