Médicos denunciam calote e falta de EPIs em Hospital de Madre de Deus

De acordo com relatos de médicos, o Instituto de Gestão, Saúde e Tecnologia (IGST) saiu sem pagar os meses de abril e maio. 

Hospital Dr. Eduardo Ribeiro Bahiana em Madre de Deus (Foto: Bahia Manchetes)

O Sindicato dos Médicos da Bahia fez um vídeo para apontar as denuncias feitas por profissionais de saúde que prestam serviço ao Hospital Municipal de Madre de Deus. O registro foi feito no dia 31 de abril, mas só foi compartilhado por internautas do município nesta segunda-feira (10).

Nas imagens,  a Dra. Ana Rita de Luna destaca que recebeu denúncias sobre a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) , redução do quadro de pessoal, ausência de pagamento durante afastamentos e falta de pagamento aos médicos que prestam serviço a unidade de saúde do município.

“O Centro de Especialidades Médicas aqui de Madre de Deus foi transformado numa UTI dedicada ao Covid, inicialmente eram 3 médicos, mas agora eles contam com único médico por plantão”, disse Dra. Ana.

” Dois pediatras foram reduzidos para um pediatra. Hoje mesmo, não tem obstetra”, completa.

Ele relata que os médicos que foram contaminados por Covid-19 e precisaram se afastar em decorrência da doença, tiveram seus vencimentos cortados:”Isso é um absurdo!”

De acordo com relatos de médicos, o Instituto de Gestão, Saúde e Tecnologia (IGST) saiu sem pagar os meses de abril e maio.

Eles se queixam ainda da precariedade de EPIs, da falta de máscaras e que precisam levar de casa o face shield (máscara de proteção para o rosto). Os médicos reforçam que mesmo com o afastamento protocolar entre os pacientes na sala de espera, a irregularidade no fornecimento das máscaras aumenta os riscos para os profissionais.