Jodiane denuncia que empresas de calçados tinham cargos na prefeitura na gestão de Jeferson

Segundo Jodiane, o poder Executivo anunciou a geração de "mil e um empregos" através de empresas de calçados que chegariam ao município. 

Jodiane denuncia que empresas de calçados tinham cargos na prefeitura na gestão de Jeferson-Foto: Reprodução Facebook.

A vereadora Jodiane Alves (PTB) denunciou na sessão de terça-feira (19), que as empresas do setor calçadista que deveriam gerar empregos na gestão de Jeferson Andrade (PP) tinham cargos na prefeitura de Madre de Deus.

Segundo Jodiane, o poder Executivo anunciou a geração de “mil e um empregos” através de empresas de calçados que chegariam ao município.

“E cadê? Quando a gente foi ver, sabe o que se tinha feito? O pessoal das empresas que já estava na folha de pagamento da prefeitura. E isso, a gente não pode concordar, e nem ser conveniente nem passivo. Então, essa responsabilidade [o prefeito] Jailton está fazendo e está tomando”, asseverou.

Ela segue ressaltando que o novo chefe do Executivo precisou tomar algumas decisões para administrar a cidade.

“Como foi bem-dito aqui, algumas posições tiveram que ser feita. E nós compreendemos que a política é assim. Jailton precisa ter lá, pessoas de confiança! Pessoas que não façam o que foi feito nos primeiros dias, que boicote, que tente prejudicar. Porque nem se pensou na situação da pandemia. O objetivo era só fazer política pra prejudicar, pra dizer que a culpa era do novo gestor”, lamentou.

A parlamentar defendeu que a prefeitura tomou certos posicionamentos para reduzir os gastos da máquina pública, inclusive, com rescisão de contratos. Ela justifica que as coisas não podem ser feitas de uma hora para outra, apontando que Jailton tem apenas 20 dias na administração municipal.

Jodiane disse ainda que ficou surpresa com o Ex-Secretário Municipal de Desenvolvimento Social, Paulo Sérgio (Teiú), que cobrou a prefeitura na rádio local a distribuição das cestas básicas. Ela aponta que tem carinho e respeito pelo ex-secretário, mas questiona porque o agente político não se posicionava durante a gestão anterior.

“Cadê a lista?! Que a cesta básica nem era de sua secretaria Paulo Sérgio. Quem era responsável pelas cestas básicas, pasmem: era a secretaria de planejamento. E nunca se criticou… Porque não se cobrou a cesta básica no social”, disse, acrescentando que pasta é responsável por benefícios eventuais.

Após o discurso de Jodiane, o vereador Kikito Tourinho reforçou as declarações, destacando que na prefeitura haviam ‘vários fantasmas’.

“Mas é verídico! Que tem sim uma pessoa do Rio Grande do Sul, que estava nesta empresa e também fichado pela prefeitura. E uma de São Paulo, já está tudo sendo encaminhado para o Ministério Público. Imagine vocês, trabalhando para empresa, que veio para prestar serviço ao município e estavam fixados na prefeitura”, disse Kikito, antes de passar a palavra para o vereador Pastor Melk (SD).