Anselmo diz que vai “virar pitbull” e chama Kikito de “moleque” após ouvir que “coleira” seria preparada

Vereador Anselmo Duarte (DEM) precisou ser contido por parlamentares na na sessão extraordinária na última quinta-feira (19).

Anselmo diz que vai "virar pitbull" e chama Kikito de "moleque" após ouvir que "coleira" seria preparada-Foto: Bahia Manchetes.

O vereador Anselmo Duarte (DEM) protagonizou um bate-boca com Kikito Tourinho (PPS) na sessão extraordinária na Câmara de Madre de Deus e precisou ser contido por parlamentares na última quinta-feira (19). “Eu vou virar pitbull aqui nesta Casa”, esbravejou Anselmo. “Se o senhor vai virar pitbull a gente vai ter que preparar uma coleira pro senhor”, ironizou Kikito.

Em seguida, o diálogo ficou ainda mais agressivo. Anselmo que estava sentado, pediu respeito e rebateu: “Se tem coleira quem tem que usar é o senhor”. Exaltado, o democrata se levanta aos gritos e continua: “O senhor que tem que usar coleira”. Logo depois, muito irritado, Anselmo sentencia: “Se o senhor disser aqui pra mim mais uma vez, eu te respondo de outra forma”.

“Quem vai usar coleira não sou eu não! Você que vai usar coleira vereador, seu moleque. Você é moleque, você é moleque rapaz”, gritou o aliado do governo. Ao que Kikito respondeu: “Moleque é o senhor, moleque é o senhor vereador”. No bate-boca, o adversário político também afirmou que o próprio democrata havia falado que viraria um pitbull.

“Tá bom vereador me diga aqui que eu vou usar coleira, me diga aqui seu moleque”, diz Anselmo que completa:” O cara me chamar de cachorro rapaz”. Kikito rebate: “Quem falou aqui de pitbull?” O parlamentar do governo emenda:” Você falou que eu iria usar coleira rapaz!”

A confusão começou após o vereador Kikito satirizar a fala do colega que estava justificando as ausências de Joyce Lima (PRB) e Renato de Martins (PSD).

Anselmo disse que não iria aceitar comentários negativos de opositores sobre parlamentares da base. Ele afirmou ainda que se todos os vereadores estivessem na Câmara no horário regimental às 10h da manhã, poderia ser diferente.

O edil apontou de forma indireta que a oposição pode querer relatar que foi votar no projeto de lei, enquanto dois vereadores de situação não estavam presentes: “Se sair esse comentário lá na frente, se sair… Eu vou virar pitbull aqui nesta Casa”.

Ele acrescenta que uma declaração como essa não pode ser considerada como “política séria” e chama de “politicagem”. Logo depois, Anselmo voltou a defender o prefeito Jeferson Andrade (PP) ao afirmar que a Câmara poderia ter aprovado uma suplementação orçamentária maior, destacando que assim as ações do gestor poderiam ser mais rápidas.

” Que não fosse os 100% dado por essa Casa ao poder Executivo, que seja 30, ou que seja 40, ou que seja 50. Mas foi dado 20, travando todo e qualquer situação do prefeito até trabalhar, mas não foi por isso que o prefeito deixou de fazer suas ações”, argumentou.

Kikito rebateu a fala de Anselmo e saiu em defesa da oposição ao afirmar que eles também estavam na Casa, e que, a vereadora Jodiane Alves (PRB) aguardava um posicionamento da bancada oposicionista que estava buscando esclarecimentos sobre o projeto. Ainda conforme o parlamentar, o documento foi encaminhado através de um aplicativo de mensagens no celular na quarta (18), as 19h25 e o projeto de lei foi votado na quinta (19).

“Então as coisas têm que ser… Entendeu vereador? Com mais cautela. Se o senhor vai virar pitbull a gente vai ter que preparar uma coleira pro senhor, me desculpe, tem que ter cuidado”, disse o oposicionista.

“Eu quero que vossa excelência me respeite, se tem coleira quem tem que usar é o senhor, o senhor que tem que usar coleira. Se o senhor disser aqui pra mim, mais uma vez, eu te respondo de outra forma. Você me respeite, você me respeite”, repetiu Anselmo.

O presidente do Legislativo, vereador Paulinho de Nalva (PRB) não suspendeu a sessão, apenas questionou: “Vereadores o que é isso rapaz?” Ele também chamou Anselmo que precisou ser contido pelos parlamentares Lindivaldo Bonfim (PCdoB) e Juscelino Silva (PPS).

A confusão seguiu por pouco mais de um minuto. Vereadores e assessores que presenciaram a cena, relataram que ficaram surpresos com o comportamento explosivo do parlamentar. Eles contaram em reserva ao Bahia Manchetes que se Anselmo não fosse contido, a confusão poderia terminar com agressões físicas.