Voto impresso é inconstitucional, diz ministro do TSE

“O voto impresso está sendo impulsionado por aqueles que perdem uma eleição”, o ministro do Tribunal Superior Eleitoral.

© Reuters Admar Gonzaga, ministro do TSE

São Paulo – Para o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga, o maior desafio para as eleições não é lidar com as chamadas fake news, e sim o dilema em torno da urna eletrônica.

“Não me preocupo muito com a questão do fake news”, afirmou ele nesta sexta-feira (11) durante o 1º Encontro de Lideranças Nacional, em São Paulo. “As notícias falsas sempre existiram, e acredito que isso vai acabar se resolvendo por meio de novas tecnologias”.

De acordo com o magistrado, porém, o problema que deveria ser discutido é em torno do voto impresso, que deve tirar 2,5 bilhões de reais dos cofres públicos nos próximos dez anos para instalação de um dispositivo nas urnas que imprimirá o registro de cada voto.

“O voto impresso está sendo impulsionado por aqueles que perdem uma eleição”, argumenta o ministro. “Nós vamos gastar dinheiro para bater palma para perdedor. Isso é inconstitucional”.

Desde que as urnas eletrônicas foram implementadas no Brasil, a partir de 1996, a possibilidade de evitar fraudes no resultado de uma eleição tem sido discutida no país. Em 2015, contudo, a exigência da impressão foi estabelecida por lei na reforma eleitoral.

Mas, além do custo elevado, Gonzaga argumenta que há uma série de problemas associados à instalação desse sistema de conferência de votos, como falhas no momento da impressão e aumento nas filas, que devem ser considerados. “Pode ter certeza que esse tipo de erro vai acontecer, e aí como é que resolve?”, questiona.