Val rebate Marden e diz que ele gasta R$ 70 mil com carro alugado na Câmara: ‘Isso aqui não é dele ’

A sessão foi marcada pela troca de indiretas e comentários ácidos entre vereadores na terça-feira (13). 

Câmara de Vereadores de Madre de Deus (Foto: Reprodução)

A sessão da Câmara de Madre de Deus foi marcada pela troca de indiretas e comentários ácidos entre vereadores na terça-feira (13).

O vereador Val Peças (PSL) rebateu o presidente da Casa, vereador Marden Lessa (PC do B)  após o comunista afirmar que os parlamentares querem falar de carros com combustível dos secretários, mas os vereadores também têm direito a veículos com combustível na Câmara.

“Agora o que a gente precisa perguntar é se o combustível é colocado no carro da câmara mesmo”, alfinetou.

O vereador de oposição afirmou que os recursos da Câmara não pertencem ao presidente ao descrever que ele esta apenas administrando: “Isso aqui não é dele não”.

Ele reclama ainda que os banheiros do poder Legislativo estão quebrados e ‘não tem um espelho’. Para Val, a Casa deve deixar de pagar os R$ 70 mil com o carro alugado pelo presidente.”Quem quiser curtir que curta com seu bolso”, disse. Ao censurar os gastos, ele pede a Paulinho um dos vereadores cotados para assumir a presidência  que corte essas despesas utilizando um carro oficial. O edil disse ainda que não tem “rabo preso com ninguém”.

Logo depois, ele mostra a programação dos carros do mês de novembro e frisa que são apenas quatro diárias: “Por mim pode tirar”. Irritado, o vereador disse ainda que não depende dos carros da câmara para “curtir” e afirma que tem carro particular.

“Hoje a câmara tem seis carros um fica na mão do presidente que é pago R$ 70 mil por ano, dois ficam na mão da diretoria e três é pra dividir pra 10 ou 11 vereadores”, disse.

O presidente endureceu o discurso após confirmar que não haveria quórum para aprovar o projeto que pretende ‘viabilizar’ um concurso público no poder Legislativo.

Para Marden,  os vereadores estão “boicotando” a aprovação do concurso público na Câmara. Ele  destacou ainda que “não iria recuar” e que jogaria na conta nos vereadores que estão contra o projeto.

O comunista também enfatizou  que os vereadores não querem aprovar o concurso, mas pediram aumento da verba de gabinete.

“A quem interessa não ter concurso e pedir para aumentar o salário dos gabinetes?”, questionou.

Conforme Marden, o documento foi assinando por oito vereadores de oposição e situação, afirmou ainda, que os gabinetes tem seis vagas ocupadas por nomeados.

Segundo ele, os edis precisam parar com a ‘hipocrisia’, disse ainda, sem citar nomes, que querem afastar Jeferson, mas não caçaram Nita. Em seguida, o parlamentar revelou que a cerca de um ano ofereceram a ele três secretarias para receber a denúncia contra o prefeito Jeferson Andrade.

“Eu não estou a venda, o meu caráter não está a venda”, dando a entender, que a declaração fazia referência ao pedido de afastamento aceito por ele ano passado. (entenda)

 +Por 2 votos a 1, denúncia contra prefeito é arquivada na Câmara de Madre de Deus