Só 298 trabalhadores da região foram contratados na RLAM; mais de 4,2 mil participaram de seleção

Mais de 1,5 mil trabalhadores desempregados aguardam o resultado dos testes para vagas de emprego na “parada” da RLAM.

Refinaria Landulpho Alves (RLAM) (Foto: Reprodução Internet)

A quantidade de vagas de emprego oferecidas para trabalhar empresas que prestam serviço na Refinaria Landulpho Alves (RLAM) em São Francisco do Conde está preocupando quem precisa de uma nova oportunidade para ingressar no mercado de trabalho. Dados do Sistema Nacional de Emprego (SINE) mostram que o número de trabalhadores contratados de cinco cidades da região metropolitana para RLAM é inferior ao acordo entre as empresas e a classe trabalhadora. Conforme o SINE, mais de 1,5 mil trabalhadores desempregados aguardam o resultado dos testes para vagas de emprego na “parada”, que está previsto para ser divulgado na próxima segunda-feira (13). O número é a soma de candidatos dos cinco municípios que esperam conquistar uma das vagas: 376 de Candeias, 339 de Madre de Deus, 322 de São Sebastião do Passe, 294 de São Francisco do Conde e 229 de Simões Filho.

Segundo o SINE, mais de 4,2 mil candidatos participaram da seleção para vagas de emprego nas empresas que prestam serviço para RLAM, quase 2,2 mil foram reprovados, 168 não compareceram  e apenas 298 foram contratados, sendo 96 de Candeias, 62 de Madre de Deus, 54 de São Francisco do Conde, 48 de São Sebastião do Passe e 38 de Simões Filho.

Supermercado cunha

Os trabalhadores desempregados de Madre de Deus realizaram manifestações desde última segunda-feira (6) na saída do município para dificultar o trajeto de funcionários à Refinaria Landulpho Alves. Eles se queixam que estariam perdendo oportunidades para funcionários do sul e do sudeste que vieram morar na região para trabalhar na “parada”. Carregando cartazes com pedidos de emprego, os desempregados seguiram pela BA- 522 até o centro da cidade na manhã de quarta-feira (8). Na tarde do mesmo dia, ocorreu uma reunião  com as empresas e  representantes de trabalhadores.

A categoria alega que as empresas concordaram em contratar 80% da mão de obra da região, no total 2 mil vagas,  para cinco municípios.

Porém, segundo os trabalhadores, algumas empreiteiras que prestam serviço à refinaria não estão cumprindo com o acordo e contratando pessoas que não moram na cidade ou na região.

“[…] Na reunião, as empresas foram notificadas… As 400 pessoas de Madre de Deus envolvidas no processo de contratação ainda pelo SINE para parada, as empresas receberam 48 horas para informar o resultado dos testes das empresas para contratar esse pessoal […] se houver paralizações as empresas vão ser multadas”, informou Alex Sandro Ramos, um dos lideres do movimento, através de um áudio divulgado pelo whatsApp.

SINART