PMs acusados de envolvimento na morte de garoto são absolvidos em Vitória da Conquista

Julgamento aconteceu nesta sexta-feira (29) e durou cerca de 9 horas.

Garoto de 9 anos sumiu após ação da PM em Vitória da Conquista, na Bahia — Foto: Reprodução/ TV Sudoeste

Quatro policiais militares acusados de envolvimento no desaparecimento e morte de um garoto de 9 anos, em 2012, em Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia, foram absolvidos em um júri popular realizado nesta sexta-feira (29).

De acordo com o promotor José Junseira, que representou o Ministério Público da Bahia (MP-BA) no caso, os PMs foram absolvidos porque havia dúvidas sobre a autoria do crime contra Maicon Batista Braga.

O julgamento, que iniciou às 9h, no Fórum João Mangabeira, no Centro da cidade, foi encerrado cerca de 9h depois. A família do garoto acompanhou o júri.

Seis policiais foram denunciados pelo MP no dia 25 de maio de 2013. Três deles pelos crimes de homicídio e ocultação de cadáver e três apenas por ocultação de cadáver. No dia 15 de maio do mesmo ano, eles já tinham sido denunciados pela Polícia Civil.

Segundo José Junseira, dos três PMs acusados de ocultação de cadáver, dois foram beneficiados e suspensos do julgamento, enquanto o outro, que já respondia por um processo ilegal, continuou respondendo o processo.

De acordo com a acusação, no dia 4 de dezembro de 2012, Maicon brincava com outros quatro adolescentes no Condomínio Vila Sul, quando uma ação da polícia começou. As investigações apontam que os agentes teriam atirado no grupo por acreditarem que seriam traficantes. Por causa disso, os jovens correram para um matagal, mas perceberam que a criança não estava mais com eles.

“Bastante triste, por tudo que aconteceu. Depois de sete anos, reviver isso tudo de novo é meio chato, complicado”, contou João Novais, avô de Maicon.

Um jornalista que estava no local e um vigilante do condomínio, que foram convocados pela defesa dos policiais, prestaram depoimento no tribunal. Os advogados levaram uma maquete ao julgamento para comprovar a tese de defesa. A acusação não convocou testemunhas para o júri. Com informações do G1.