Justiça tenta notificar à Câmara sobre afastamento de prefeito de Madre de Deus

A justiça determinou na quinta-feira (12) o afastamento de Jeferson Andrade (DEM) do cargo de prefeito.

Câmara Municipal de Madre de Deus (Foto:Reprodução)

Um oficial de Justiça chegou por volta das 10h desta sexta-feira (13) ao prédio da Prefeitura de Madre de Deus para entregar a notificação de afastamento do prefeito Jeferson Andrade (DEM), em seguida, foi à vez de notificar à Câmara Municipal sobre a decisão do juiz de direito Glauco Dainese de Campos de afastar o prefeito do cargo. O magistrado acatou na quinta-feira (12) a denúncia contra Andrade sobre um suposto esquema de desvio de verba pública, perpetrado durante os anos de 2010 e 2012 na Casa Legislativa do Município.

Leia mais: 

MP denuncia suposto esquema de “enriquecimento ilícito” de prefeito e vereadores em Madre de Deus

TJ nega pedido da defesa e mantém investigação do MP-BA contra prefeito Jeferson

Segundo o vereador Kikito Tourinho (PPS), o presidente da Câmara Municipal Marden Lessa (PC do B), não apareceu na Casa, e dispensou parte dos funcionários.

“O presidente não apareceu na Casa hoje, o Legislativo não estava funcionado, a presidência não estava funcionando e a menina da recepção não quis receber o documento”, afirmou o socialista.

Ainda Conforme o vereador, nenhum dos funcionários recebeu a notificação, apesar disso, o oficial deixou o documento na Casa.

“O presidente já está sabendo, então, não tem para aonde correr. Cada um tem que fazer seu papel, a lei tem que ser cumprida. O juiz determinou que o vice-prefeito (Jailton Polícia) e o suplente de vereador (Gilvan Valadão), sejam convocados, e tem que ser empossados”, asseverou o parlamentar.

O vereador defende ainda que a população cobre dos seus representantes na Câmara Municipal à cassação do prefeito Jeferson Andrade. Ele ressalta que “Cabe a Casa” cassar o prefeito e resolver a situação.

Segundo ele, os vereadores conhecem os autos do processo, disse ainda,  que às acusações que Jeferson responde na justiça são “muito graves como: desvio de recurso e formação de quadrilha”.

Para Kikito não é “justo” que  Jeferson Andrade mesmo afastado do cargo continue recebendo salario de prefeito.

Momento em que o oficial de Justiça tenta notificar a Câmara Municipal sobre o afastamento do prefeito. (Foto:Reprodução)
Supermercado cunha