Ao lado de Nilton, Mário Negromonte diz que foi ‘sacrificado’ por causa da adutora

Deputado foi vaiado e aplaudido por parte do público presente.

Mário Negromonte e Nilton Bastos. (Foto: Bahia Manchetes)

O deputado Mário Negromonte (PP) afirmou na tarde de segunda-feira (9)  durante a visita do governador Rui Costa (PT) a cidade de Madre de Deus, na Região Metropolitana de Salvador,  na qual foi vaiado e aplaudido por parte do público presente, que foi ‘muito sacrificado’ por causa da adutora.

Logo após o nome de Mário ser dito no microfone, começaram as vaias e aplausos, que continuaram durante o inicio da fala do deputado. Mas não foram notadas por conta dos tambores levados ao ato político pelo deputado Isidório (PSB). Durante o pronunciamento, espectadores gritavam de longe: “Cadê adutora”. Mário ainda desconcertado, chamou Nilton Bastos: “vem aqui do meu lado, Niltinho, esse grande amigo que me apresentou, meu grande amigo também Jeferson Andrade”.

Em seguida, o deputado destaca que ele, Nilton e Jeferson fizeram um trabalho com o governo do estado. Sem mencionar a promessa da adutora, Mário segue o discurso de forma evasiva, pontuando que “uma pessoa” teria atrapalhado.

“Infelizmente, nós tivemos uma pessoa… Que atrapalhou aqui, um sonho de uma necessidade muito grande, daqui de Madre de Deus que é adutora do município”, disse.

Enquanto o deputado falava, foi ouvido gritos de “Cadê a adutora”.

Mário argumenta ao governador que em “função deste problema”, o prefeito Jeferson teria deixado o Partido Progressista. No entanto, o pepista não revelou o suposto responsável pelo prefeito ter desembarcado do partido. Ele também não esclareceu como a “pessoa” o teria prejudicado na questão da adutora.

” Eu perdi um prefeito do meu partido, que era do PP foi para o Democratas, mas eu não perdi o amigo”.

Ainda conforme o deputado, o governador viu a necessidade da região e vai concretizar o sonho da adutora e acabar com toda essa historia.

” Eu fui muito sacrificado, com isso, não tem problema, o importante é que vai acontecer, e as pessoas vão ser contempladas e vai chegar água na casa do povo”, tergiversou.

Apesar de fazer “mea-culpa”, a aliança entre o deputado e o prefeito protagonizou uma das criticas mais duras  a administração municipal: A falta de água. Visivelmente desconfortável ao lado do parceiro de longas datas, Nilton quase voltou para cadeira após ser cumprimentado pelo colega de partido que insistiu:” fique aqui comigo “.

Ao lado de Nilton, Mário fez um discurso de quase sete minutos, mas não conseguiu empolgar o público presente.

 

Supermercado cunha